LIBERTE-SE DA DOR



Em um planeta de contrastes como a Terra, onde parecemos precisar do ruim para nos lembrar que existe o bom, muitos de nós teimam em não ouvir a teoria e o resultado é o aprender na prática - ou na marra - e isso, não raro, leva ao caminho da dor. Nada é absoluto. Analisando hoje o porquê sofremos em alguma situação, me pego imaginando se não ignoramos os vários alertas que nos foram dados antes de aprendermos a lição da pior forma possível. E essa forma muitas vezes se expressa em dor.

A dor é professora severa, porém infalível. Demore dias, anos, séculos ou milênios: em algum momento ela nos alcança quando os apelos do perdão e da reconciliação falham. Nos cansaremos de senti-la e nos perguntaremos o porquê de termos chegado ali. Começaremos a pensar que se talvez tivéssemos tomado um caminho diferente - ouvido os conselhos de pessoas que realmente nos amam, aplicando na prática os ensinamentos que estamos recebendo há milênios de alguns mestres da sabedoria, como Jesus, Buda, Gandhi, Platão, e mesmo gênios como Einstein, Jung, ou seja lá qual referência você considere um modelo - aquela dor não seria necessária.

Podemos não ouvir, mas o tempo todo temos ao nosso lado a voz da razão nos pedindo para aprender com as experiências e erros alheios sempre que possível, evitando que desnecessariamente passemos por um caminho que também levará ao aprendizado, porém de forma bem mais difícil. Um exemplo bobo é que você não precisa colocar sua mão no fogo para saber que vai se queimar e sentir dor, ou que se você atravessar a rua no meio dos carros tem grande chance de ser atropelado. Desde crianças, ouvimos essas recomendações e não precisamos testá-las pra ver se realmente vão nos fazer mal.

Então vamos parar e refletir porque não aplicamos o mesmo conceito nas seguintes situações:

- Se eu machucar um coração, um dia o meu também será machucado. Claro que não temos como controlar as expectativas que alguém coloca sobre nós e sim, as relações humanas são complicadas. O problema é que esnobar, ser desleal, ou deliberadamente cruel com alguém que nos ama um dia vai nos causar o mesmo sofrimento que impusemos, mesmo que não tenhamos consciência de que sofremos agora o que causamos no outro tempos atrás.

- Se eu pré determinar que minha opinião sobre algo é a única certa e absoluta e - ainda mais grave - estimular outras pessoas a engolirem a seco o que eu penso, um dia posso ser obrigado, por necessidade de alguma situação extrema a fazer algo ou agir de acordo com alguma ideia que eu atualmente abomino. Isso vai me ensinar que não há apenas uma verdade sobre algo, muito menos que a essa verdade é a que eu descobri.

Parece muito dramático colocar as coisas dessa forma, eu sei. Para simplificar, é só pensar na nossa passagem pela vida como um enorme bumerangue: na mesma velocidade que o jogarmos, ele voltará para nós, então precisamos ser cautelosos quanto à força com que vamos jogá-lo. Não recebemos punições ou castigos, apenas colhemos o que plantamos, e isso se estende em todos os níveis, não apenas quando falamos de algo grave, como roubar, matar ou prejudicar alguém.

Você pode pensar que não há mal algum em ignorar deliberadamente um pedido de ajuda quando o amigo quer desabafar, ou em furar a fila quando ninguém está olhando e ainda contar aquela mentirinha vez ou outra. São atitudes que cometemos todos os dias, pois já se tornou natural achar que isso não é nada demais. Realmente, são hábitos a que todos nós estamos sujeitos. Exigir a perfeição em cada atitude dessa seria tão penoso e cansativo quanto contar cada pensamento que temos durante um dia  inteiro. Nós vamos cometer essas pequenas falhas em algum momento, sim. O que a espiritualidade nos propõe é que nos tornemos conscientes dessas atitudes quando elas ocorrerem, sem auto punição, ao assumir que aquele é um pensamento/atitude de autoria nossa, e que trabalharemos para que não se repitam com tanta frequência.

Esses exemplos simples são apenas para demonstrar que a forma de driblar o aprendizado através da dor é ter mais atenção ao que estamos emitindo para o universo. Você não precisa ser perfeito. Estamos muito longe disso. Sem contar que definir o que é a perfeição está além do nosso alcance e abriria um outro debate sobre quem decide onde a perfeição começa e termina. O que precisamos urgentemente é sermos mais vigilantes com nossas atitudes. Claro, sem querer dar passos muito largos, apenas fazendo o melhor que pudermos naquele dia pois é de pequenas atitudes e hábitos que vamos moldando nosso caráter e realizando uma transformação sólida e verdadeira.

Já está se esgotando o tempo de nos escondermos atrás de dogmas religiosos e acreditar que está tudo bem em seguir uma fórmula mágica (tomar um passe, uma hóstia, aceitar Jesus, comprar cristais, aprender reiki, etc) e não olharmos para dentro, nos conhecermos e tentarmos nos relacionar da melhor forma com tudo o que nos cerca. A salvação/iluminação vem de dentro. Todos os elementos religiosos ou filosóficos que impulsionam isso ajudam, mas se a essência não acompanhar o processo, ele vai ser tão inútil quanto um relógio sem os ponteiros.

A teoria é fácil, você pode pensar. Ninguém conhece profundamente sua história, suas marcas, suas influências para ser do jeito que você é. Isso é verdade. É por isso que você, antes de qualquer um, precisa conhecer os seus próprios gatilhos e reconhecer uma falha antes dela vir à tona. E, se vier, não se martirizar ou reprimir, senti-la e tirar a lição que for necessária dela, sem apego ou culpa. Isso é auto conhecimento, isso é evolução.

As cicatrizes que a experiência na prática nos confere, através do aprendizado pela dor, também possuem seu valor, mas têm um preço. 
O tempo que elas levam para cicatrizar, você está disposto a perder?

Deixo a reflexão no ar e aguardo seus comentários para debatermos aqui no blog!

Até a próxima 💓

Comentários

  1. Parabéns pelo texto obrigado pela bela reflexão que fez é difícil muitas vezes olhar para dentro com tantos problemas aqui fora, mas isso somos nós mesmos que fazemos. Somos 100% responsável por tudo que acontece, a partir daí concerteza seremos mais felizes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza, Erick! Não é tarefa das mais fáceis, mesmo. É tomar consciência de que problemas sempre irão existir, o que vai nos trazer força e evolução é a forma como vamos lidar com esses problemas.

      Excluir

Postar um comentário

Sua opinião é muito importante!

Postagens mais visitadas